segunda-feira, 07 setembro 2020 15:52

Responsabilidade social: Mercadona faz esforços adicionais

Foi para a doação de bens essenciais, alimentares e não alimentares, que a Mercadona canalizou as ações de intervenção social desencadeadas pela Covid-19. “Acreditamos que seja onde faz mais sentido estarmos a concentrar os nossos esforços, dado o crescente número de famílias que recorrem a estas instituições para se alimentarem. A nossa prioridade é estar em permanente contacto com as diversas instituições de solidariedade e responder de forma rápida às suas principais necessidades”, justifica a diretora-geral Internacional de Relações Externas, Elena Aldana.

Deste modo, até agosto, foram doadas cerca de 600 toneladas de alimentos, em resposta a pedidos diretos de instituições, de acordo com as suas necessidades. Tudo isto – nota – exigiu um “esforço gigante” de várias equipas de trabalho: Logística, Relações Externas, Equipas da Loja.  Adicionalmente, e porque a pandemia coincidiu com a Páscoa, foram doados 20.000 quilos de chocolates ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto, para proporcionar aos mais carenciados e aos que estão na linha da frente, um momento “doce”.  Os hospitais de São João e das Forças Armadas estão entre os beneficiários, bem como a Cruz Vermelha Portuguesa. A Mercadona colabora igualmente com os centros de acolhimento temporário na região norte, destinados a idosos que testaram positivo, mas que não apresentam sintomas, doando produtos necessários para limpeza e higiene, de forma permanente, durante o tempo em que estejam em funcionamento.

Elena Aldana faz notar que, embora a empresa coloque sempre os seus esforços a favor da sociedade, a situação atual exige esforços adicionais. E elogia a proatividade das equipas, no sentido de conhecerem de perto as necessidades de cada instituição e dar respostas ajustadas a cada uma delas. “Está na essência da Mercadona partilhar com a sociedade aquilo que dela recebemos. Este é um dos princípios pelo qual regemos a nossa política de responsabilidade social”, sublinha, dando conta dos acordos de colaboração com os bancos alimentares de Aveiro, Braga e Porto, bem como da colaboração de cada uma das dez lojas com uma cantina social, para a qual envia produtos de primeira necessidade.

E entende que, fazendo parte de um dos setores considerados essenciais, a Mercadona tem uma responsabilidade social. “Desde que esta crise de saúde começou que temos uma única certeza: fazer o que for necessário para proteger a saúde e segurança dos nossos colaboradores e clientes, para que os portugueses continuem a ter acesso a bens de primeira necessidade. Tínhamos consciência da urgência em implementar estas medidas e solucionar todos os obstáculos que íamos encontrando no nosso caminho”, partilha, deixando uma nota final: “Tínhamos de agir de forma imediata, havia muito para fazer para conseguir ajudar a sociedade portuguesa”.

Fonte: Store

 

Newsletter

captcha 

Assinar Edição ImpressaAssinar Newsletter Diária