quinta-feira, 04 março 2021 15:16

Prevenir desperdício é prioridade para o Continente

“A grande prioridade do Continente passa pela prevenção do desperdício”, diz o diretor de Projetos de Sustentabilidade e Economia Circular da Sonae MC, Pedro Lago, adiantando que “todos os processos de compra, de aprovisionamento e da operação das lojas e entrepostos são trabalhados” tendo esse como um dos objetivos principais. “E é este trabalho de há muitos anos, monitorizado e acompanhado por uma equipa dedicada ao tema, que permitiu ao Continente reduzir consistentemente os seus desperdícios”, garante.

 

O retalhista assume a responsabilidade de influenciar o combate ao desperdício em toda a sua cadeia de valor, desde o produtor até ao consumidor, razão pela qual tem também desenvolvido diversas iniciativas de combate ao desperdício junto dos seus produtores, através do Clube de Produtores Continente, bem como um conjunto de iniciativas de sensibilização do próprio consumidor.

Ainda assim, algum desperdício remanescente “é quase inevitável”, pelo que a empresa adotou modelos de economia circular que têm permitido reduzir o desperdício iminente; reutilizar produtos; e transformar excedentes em produtos de valor acrescentado.

O Continente tem, pois, reduzido o desperdício iminente, acelerando o escoamento dos produtos que se encontram mais próximos do seu fim de vida ou que apresentam um risco acrescido de serem desperdiçados. É o caso das etiquetas cor de rosa (rótulos inteligentes de depreciação), implementadas há mais de dez anos, que comunicam uma redução de preço em produtos que se aproximam do fim do prazo de validade. “Este sistema representa vantagens para todas as partes envolvidas, já que se evita o desperdício e oferece simultaneamente benefício económico ao cliente”, comenta, elencando também o projeto piloto da Banana Solteira. Trata-se de uma colaboração entre Continente e Bagga para combater o desperdício das bananas que foram retiradas dos cachos e deixadas soltas na loja Continente. As bananas são colocadas à venda a preço fixo nas cafetarias Bagga.

As Caixas Zer0% Desperdício também se enquadram aqui: são caixas de 5kg com frutas e legumes que estão perto de ultrapassar o ponto ótimo de consumo. Estão à venda em 49 lojas, devendo chegar em breve às restantes, e evitam “o desperdício de mais de 25 toneladas de frutas e legumes por ano”.

Em matéria de reutilização, o Continente dá uso alternativo aos produtos que perderam total ou parcialmente o seu valor comercial, mas que se encontram ainda em ótimas condições de consumo. Reaproveita e redistribui, pois, alimentos, através de doações de excedentes alimentares, a instituições de solidariedade social e de apoio a animais. “Faz parte do dia a dia das nossas lojas”, observa.

“Em 2019, através da Missão Continente, reaproveitámos um total de 12,3 milhões de euros em excedentes alimentares, dos quais beneficiaram 1.013 instituições de solidariedade social e associações de apoio a animais. Os nossos colaboradores também beneficiam destes produtos que são disponibilizados nas áreas sociais das lojas e entrepostos Continente”, conta.

No que diz respeito a dar uma segunda vida aos excedentes alimentares, pontuam os doces & chutneys e o Panana. Os primeiros resultam, desde 2017, de excedentes de frescos: laranja, frutos tropicais, banana, tomate, abóbora e cebola. Já o segundo foi lançado em março de 2018 e é semelhante a um pão ou um bolo confecionado a partir de bananas muito maduras (42% de banana/unidade). “No primeiro ano de vendas, o Panana escoou cerca de 40 mil unidades, o que corresponde a mais de 80.000 bananas reaproveitadas”, adianta, revelando que está também a ser aproveitado o desperdício gerado na produção das maçãs e peras IGP transformando-as em snacks de fruta desidratada. “Também comercializamos sumos naturais que levam apenas estas frutas espremidas, sem qualquer adição de açúcar ou água, como o sumo 100% maçãs de Alcobaça”, acrescenta.

Um dos projetos mais recentes que se debruça sobre este tema é o LIFEFood Cycle, lançado no mês de setembro pela Sonae MC, em consórcio com a Phenix e apoiado pelo programa LIFE da União Europeia. A iniciativa traduz-se numa plataforma digital da Sonae MC que permitirá às lojas Continente dar uma nova vida aos seus produtos alimentares em risco de quebra, tanto através de doações solidárias (digitalizando um processo manual já existente há largos anos), mas também através da venda B2B a novos parceiros (ex. restaurantes), que se prevê ocorrer a preços mais baixos.

“Em relação ao desperdício alimentar, há já alguns anos que temos trabalhado com o objetivo de eliminar o problema – reaproveitando excedentes para lhes dar nova vida -, mas também da prevenção, junto da sociedade civil, através de iniciativas como a Escola Missão Continente em que se aborda o tema com alunos do 1º ciclo; junto dos nossos parceiros, através de formações do Clube de Produtores Continente em que os desafiamos a inovar recorrendo a subprodutos, por exemplo; entre outros”, diz, realçando o compromisso “muito claro” das equipas de diminuir consideravelmente, e num futuro próximo, a quebra das lojas e entrepostos. Seja revendo os critérios de qualidade (como o calibre da fruta), seja fazendo uma gestão mais eficiente das doações, especialmente porque neste último caso há um “duplo benefício”: económico e social.

“A nossa visão é, sem dúvida, evitar o desperdício de qualquer alimento que esteja em condições de ser consumido”, sintetiza. “O desperdício alimentar não é apenas um sério problema social e ambiental”, é também – sustenta – “um dos mais sérios desafios ao desenvolvimento de um sistema alimentar sustentável, e é por isso que o Continente continuará a lutar incansavelmente para que nenhum alimento em condições de consumo possa ser desperdiçado”.

Fonte: Store

Newsletter

captcha 

Assinar Edição ImpressaAssinar Newsletter Diária