segunda-feira, 06 setembro 2021 13:44

Pingo Doce: “A igualdade de género é importante para uma sociedade mais justa”

Foi num programa de estágios que a atual diretora-geral do Pingo Doce, Isabel Ferreira Pinto, ingressou no grupo Jerónimo Martins. Sustenta que, apesar dos bons exemplos, ainda há um caminho a percorrer em direção à igualdade de género em Portugal. Na sua empresa, porém, essa questão não se coloca, já é uma realidade.

Isabel Ferreira Pinto personifica uma carreira marcada pela igualdade de oportunidades. Basta atentar no ponto de partida e no momento atual. Assim, ingressou no Grupo Jerónimo Martins ao abrigo do Programa de Management Trainees. Estava-se em 1999 e, após um percurso de formação operacional, incorporou a equipa de Marketing da cadeia Recheio Cash&Carry.

O Marketing foi a primeira etapa de um percurso que teve continuidade na área Comercial, em que foi gestora de diversas categorias de produtos, primeiro ainda no Recheio, e, mais tarde, a partir de 2006, também no Pingo Doce. “Desde 2011 que assumo a responsabilidade de cargos de direção”, nota, dando conta de que, em 2014, aceitou o desafio da Direção de Negócio da Daymon Worldwide em Portugal, empresa americana parceira da Jerónimo Martins, responsável pelo desenvolvimento das marcas próprias do grupo. Dois anos volvidos, seria ao grupo que regressaria, para assumir as funções que ocupa atualmente, as de diretora-geral do Pingo Doce.

Sobre a construção deste percurso e a influência que o género teve ou não – facilitando ou dificultando – Isabel Ferreira Pinto responde: “Sempre tive oportunidades ao longo da minha carreira e não considero que o facto de ser mulher tenha sido um obstáculo.”

Não obstante a sua experiência pessoal, em que medida considera relevante e necessário que haja mais mulheres em posições de liderança? A gestora não tem dúvida que “é importante que exista uma igualdade de oportunidades entre mulheres e homens no acesso a posições de liderança”: “E, na verdade em todas as funções, para que tenhamos uma sociedade mais justa”, reforça.

Reconhece, porém, que é uma meta ainda por alcançar: “Sabemos que há ainda um longo caminho a percorrer para que a igualdade de género seja uma realidade.”. Mas deixa uma mensagem positiva: “Felizmente, são cada vez mais os bons exemplos nesta área e é com muito orgulho que lidero uma empresa que tem 50% de mulheres na sua comissão executiva e 71% de mulheres em cargos de gestão”. Assim – conclui – “no que diz respeito ao Grupo Jerónimo Martins e ao Pingo Doce, isso não é uma questão, é uma realidade.”

E haverá, de alguma forma, um estilo feminino de liderar? A diretora-geral do Pingo Doce reflete que “não será um estilo exclusivamente feminino de liderança, mas será um estilo de liderança pelo envolvimento, pela colaboração, pela forte mobilização para objetivos concretos, por um dia a dia muito focado e organizado, com uma gestão de tempo muito eficiente”.

Fonte: Store

Newsletter

captcha 

Assinar Edição ImpressaAssinar Newsletter Diária