segunda-feira, 27 dezembro 2021 13:28

IKEA focada em entregas mais sustentáveis

“Para a IKEA, a preocupação com a sustentabilidade é parte integrante da nossa atividade e é transversal a todas as áreas de negócio e respetivas operações”, adianta a responsável de Sustentabilidade da IKEA Portugal, Ana Barbosa, a propósito da temática da sustentabilidade das entregas praticada entre os retalhistas.

Partindo dessa premissa e filosofia, adaptar e transformar as entregas para uma operação mais sustentável é – garante – um dos grandes focos da IKEA Portugal, que já está a colocar em prática esse modus operandi.

“Temos como ambição, até 2025, ter todos os serviços de entrega 100% elétricos. Isto é, reduzir a zero as emissões de gases poluentes para o meio ambiente provenientes dos nossos serviços de entregas”, revela, acrescentando que, depois de iniciar a primeira fase, este ano, na Grande Lisboa, o objetivo passa por “alargar ao resto do país” até ao final de 2021.

“Este plano tornou-se ainda mais relevante numa fase em que o crescimento das vendas online tem como consequência direta o crescimento do volume de serviços associados como as entregas”, justifica.

Tendo em conta que “a sustentabilidade é um dos pilares da atividade e do negócio” da IKEA, a responsável assegura existir um “compromisso com uma estratégia de mudança positiva no planeta, com o objetivo de combater a crise climática.” E, assim sendo, entende que isso “implica, obviamente, uma grande preocupação com a redução da nossa pegada carbónica.”

“Assumimos o compromisso de, até 2030, termos um impacto positivo no clima, a nível de emissões de CO2, reduzindo mais emissões do que as emitidas na nossa cadeia de valor, enquanto continuamos a crescer o negócio. E, para isso, trabalhamos em vários níveis, como é o caso da melhoria da eficiência energética nas nossas operações ou a produção de mais energia renovável do que a consumida nas nossas operações, sendo que em Portugal já somos, em termos absolutos, energeticamente autossuficientes”, sublinha.

Ao nível das entregas de produtos, de acordo com Ana Barbosa, há duas vertentes: as embalagens e o transporte. Aponta “o grande movimento para que em 2025 todas as entregas sejam feitas em veículos elétrico”, referindo também “que o facto de os produtos serem transportados em embalagens planas faz com que se poupe muito espaço, minimizando o impacto climático de cada produto”.

Nota ainda que a abertura de pontos de recolha em diferentes pontos do país permite otimizar o transporte de produtos para zonas mais distantes das lojas e em maior volume. “Em relação às embalagens do nosso produto, trabalhamos continuamente para reduzir o material de embalagem ao mínimo, enquanto garantimos a sua proteção de sujidade ou danos. Trabalhamos também para eliminar progressivamente alguns materiais das nossas embalagens como materiais compósitos, esferovite ou plástico. Com vista a permitir uma melhor separação e reciclagem destes materiais”, conclui.

Fonte: Store

Newsletter

captcha 

Estante

Assinar Edição ImpressaAssinar Newsletter Diária