Imprimir esta página
quarta-feira, 15 junho 2022 13:09

Pingo Doce tem elevada taxa de retenção de colaboradores

Para o Pingo Doce, as pessoas estão no centro de tudo e são, sem dúvida, o motor de todo o negócio. “O setor em que nos inserimos, a distribuição, contribui fortemente para a criação de emprego, sendo o Pingo Doce um dos maiores empregadores em Portugal, com mais de 31 mil colaboradores”, começa por dizer a diretora de Recursos Humanos da insígnia, Marísia Giorgi.

A atratividade começa, desde logo, na diversidade de funções que oferece, para perfis e níveis de experiência muito variados. Nas operações, a responsável destaca, além das diversas funções que compõem uma loja – como o talho, a padaria, as frutas e vegetais, a charcutaria, a frente de loja e a equipa de gestão –, todo o trabalho desenvolvido nas cozinhas – onde são confecionadas diariamente milhares de refeições – e nos centros logísticos.  “Cargos esses que são, também, procurados pela flexibilidade de horários que oferecem, permitindo uma melhor gestão de tempo familiar ou regimes de part-time, para conciliar com estudos ou outras atividades”, explica. Já nas funções de escritório, afirma que são cada vez mais as pessoas que apostam no setor da distribuição, tanto no início como no desenvolvimento da sua carreira, com áreas de formação muito variadas.  

No retalhista, o talento, o desenvolvimento das pessoas e o seu crescimento são valorizados.  Marísia Giorgi sustenta que prova disso é o facto de mais de 90% das funções de liderança nas operações serem fruto de progressões internas – ao abrigo, por exemplo, do Programa Geral de Gestão em Loja”.

“Investimos em criar oportunidades de desenvolvimento para as nossas pessoas, que garantimos através do acompanhamento diário das equipas, nos seus locais de trabalho, criando regularmente desafios que as fazem crescer, mas também através de processos e práticas estabelecidas na companhia”, declara, dando como exemplos a avaliação de desempenho, a identificação de potencial e as necessidades de desenvolvimento, os programas de formação – potenciados pela Escola de Formação, que conta com mais de 70 formadores e que, no ano passado, lecionou mais de um milhão de horas– e as oportunidades de mobilidades internas.

Quanto ao seu compromisso com a igualdade de género, este foi reconhecido em janeiro deste ano, com a integração da Jerónimo Martins no “Bloomberg Gender-Equality Index”, uma vez que as mulheres ocupam 71% dos cargos de gestão.

E porque acredita que “não existem pessoas sem habilidades e aptidões, mas, sim, pessoas sem acesso a oportunidades”, o grupo criou em 2015 o “Programa Incluir”. Este promove a empregabilidade de pessoas vulneráveis no acesso ao mercado de trabalho, destacando-se os portadores de deficiência, migrantes e refugiados, e pessoas em situação de elevado risco social. Desde então, já gerou oportunidades de emprego para mais de 550 pessoas nestas situações.

Além disso, desenvolve também programas de apoio aos colaboradores em várias vertentes da sua vida, nomeadamente na área da saúde, com programas de psicologia, de apoio à saúde, entre outros; no bem-estar familiar, com oferta de kit bebé, iniciativas do Dia Mundial da Criança, campos de férias, entre outros; e na educação, como, por exemplo, a campanha escolar com a oferta de kit para a entrada no primeiro ano ou atividades de tempos livres.

“Prova de que as nossas pessoas, nas suas mais de 45 nacionalidades, se sentem valorizadas e protegidas é a nossa elevada taxa de retenção, que se situa nos 85%, o que revela o forte compromisso e envolvimento não só com a companhia como com os nossos valores”, conclui a diretora de Recursos Humanos do Pingo Doce.

 

Fonte: Store Magazine