segunda, 26 novembro 2018 16:36

O Blockchain será mais perturbador do que a Internet. Diz a Etherify

Em 2017, Fernando Moreira e Justin Wu criaram a primeira empresa portuguesa centrada na criptomoeda, propondo-se contribuir para impulsionar a revolução da tecnologia Ethereum em Portugal e no mundo, prestando consultoria às empresas que pretendam investir neste novo mercado. Em entrevista à Store, manifestam a convicção de que o dinheiro digital vai alterar o sistema financeiro tal como o conhecemos. 

 

 Store | Quais as principais criptomoedas no mercado?  E podemos considerar que são moedas com valor real?

Fernando Moreira e Justin Wu | Ethereum e Bitcoin. As demais são altamente especulativas e ainda têm de dar provas, nomeadamente no que respeita à utilidade. O Ether da Ethereum tem valor real, na medida em que precisa dele para comprar capacidade de computação na rede Ethereum. A maioria das criptomoedas, incluindo a Bitcoin, é apenas de natureza especulativa, mas alguns projetos que estão a ser construídos no Ethereum poderão ter valor real no futuro, pois o mercado necessita dos seus serviços. 

O que motivou a subida do valor das moedas digitais nos últimos tempos?
As pessoas começam a perceber que está a nascer uma nova classe de ativos. O investimento em criptomoeda é muito democrático, porque os obstáculos à entrada são muito menores do que para investir no mercado de ações tradicional. As pessoas também estão cansadas de ver o seu poder de compra diminuir ano após ano devido à inflação. A criptomoeda não pode ser impressa do nada, como acontece com o papel-moeda como o dólar americano. 

 Quais são as mais-valias associadas às criptomoedas?

No caso do Ethereum, beneficia da mais-valia de poder utilizar a rede de computação distribuída do Blockchain do Ethereum. As empresas têm capacidade para construir aplicações descentralizadas que são executadas no Ethereum, o que representa um valor acrescentado, visto que não têm de pagar por servidores ou segurança: isso fica a cargo do Blockchain. 
É claro que, para além disso, também obtém ganhos de capital. Se tivesse comprado Ether no início de 2017, atualmente estaria a celebrar vários milhares de percentagem de lucro. 


Qualquer empresa ou particular pode investir?
O mercado de criptomoedas é de alto risco e alta compensação. Quem está disposto a tolerar uma volatilidade e um risco elevados nos investimentos pode ganhar muito dinheiro. Todavia, isto não é um conselho de investimento e cada um deverá realizar as suas próprias pesquisas. 

 As empresas podem vender serviços, mas, no caso dos particulares, como é que podem ganhar dinheiro com este tipo de moeda?

Há muitas empresas que estão a efetuar Ofertas Iniciais de Moedas (OIM) para obter financiamento em troca de uma ficha com algum tipo de funcionalidade na respetiva aplicação. Trata-se de uma ótima forma de angariar capital, criar uma comunidade e criar uma economia em torno do seu projeto. 

 Os ganhos são, de facto, significativos? 

Sim, são. Se tivesse comprado mil euros de Ehtereum em janeiro de 2016 seria agora milionário. Se tivesse comprado mil euros de Bitcoin em 2011, teria dezenas de milhar de euros atualmente.

Os lucros obtidos não são taxados em Portugal. Na vossa opinião, estes ganhos deveriam, ou não, ser declarados às Finanças? 
Enquanto não houver uma definição legal explícita da criptomoeda e enquanto não existir uma obrigação e legislação explícitas que exijam o respetivo pagamento de impostos, as pessoas não são obrigadas a declarar as suas participações financeiras ou atividades em criptomoeda às Finanças. Todavia, isto não é um conselho fiscal, pelo que incentivo as pessoas a realizarem as suas próprias pesquisas e a consultarem um advogado competente especializado em direito fiscal. 

 Era importante que houvesse regulamentação para estas moedas?

Sim, é importante assumir uma posição clara de abertura à inovação e às empresas. Isto atrairá o investimento estrangeiro direto em Portugal. Portugal precisa de um quadro regulamentar dedicado às criptomoedas e à tecnologia Blockchain para poder tirar proveito deste mercado novo e emergente. Vemos muitas das melhores e mais brilhantes mentes a entrar nesta área. Tal significa que se Portugal tivesse uma legislação clara e permissiva nesta área, atrairia muitos talentos e investimentos diretos de todo o mundo. 

 Quais são os riscos associados? 

Os riscos associados às criptomoedas consistem no facto de haver muitas burlas e piratas informáticos que tentam roubar o dinheiro das pessoas. A forma mais segura é conservar sempre as chaves privadas num local seguro, adquirir uma carteira física e nunca confiar indiscriminadamente em pessoas na Internet. A melhor proteção contra este tipo de riscos é a informação. Antes de realizar grandes investimentos ou movimentar grandes quantidades de dinheiro neste espaço, deve ter todos os cuidados necessários e aprender como gerir e armazenar criptomoedas de uma forma segura. 

 Podemos dizer que, com estas moedas, é tão fácil ganhar como perder dinheiro?  

De facto, é. É fácil ganhar e perder bastante dinheiro neste mercado. Por exemplo, algumas pessoas investiram em OIM que multiplicaram o investimento 12 vezes. Mas é mais frequente haver retorno negativo. Algumas pessoas tentam efetuar a compra e venda no mesmo dia, mas a maioria acaba por perder dinheiro. Sugiro que as pessoas não efetuem a compra e venda de volatilidade no mesmo dia, a menos que saibam realmente o que estão a fazer enquanto investidores profissionais. Um investidor ocasional deverá realizar uma investigação aprofundada e investir com moderação em projetos que sejam bons e em que acredite. 

Acreditam que as moedas digitais serão o futuro?
Mais cedo ou mais tarde, o papel moeda tradicional acabará por desaparecer. Provavelmente haverá algum tipo de criptomoeda global num futuro próximo, que todos utilizarão para a realização de transações. Esta criptomoeda global funcionará no Ethereum e será uma ficha concebida para ser relativamente estável em termos de flutuações de preços.

As empresas terão, obrigatoriamente, de se adaptar a esta nova realidade?
O Blockchain será mais perturbador para o negócio global do que a Internet, por isso, sim. As empresas que adotem o Blockchain mais cedo irão superar as que o ignorarem. 

 O uso desta moeda vai também exigir uma nova estratégia e posicionamento por parte dos bancos?

Os bancos ver-se-ão forçados a adaptar-se e a adotar a tecnologia Blockchain. Há muitos regulamentos e diretrizes a nível da UE e do BCE. Os bancos já não são lucrativos e os regulamentos são complexos e onerosos. Se o cliente não quer pagar mais taxas, de onde vem o dinheiro? Só tornando os serviços bancários mais eficientes e económicos. É aqui que entra o Blockchain. 

Fonte: Store

Newsletter

Assinar Edição ImpressaAssinar Newsletter Diária