quarta-feira, 04 abril 2018 16:17

Millennials europeus, afinal, dizem “sim” às lojas físicas

Contrariamente ao que se pensa em relação aos millennials, no que diz respeito à quase exclusiva visão digital e menos consumista, o estudo “O Observador Cetelem 2018” vem afirmar que, afinal, 57% dos millennials europeus gostam de fazer compras, preferindo as lojas físicas ao e-commerce. É assim com 58% dos portugueses desta geração.

 

O estudo foi realizado pela Cetelem, marca do Banco BNP Paribas Personal Finances, com o objetivo de comparar os comportamentos dos millennials – geração que tem entre 18 e 35 anos – aos dos seus congéneres europeus, relativamente às matérias de consumo. Nesta edição, a questão que estava no centro do debate era se as lojas físicas iam, ou não, desaparecer. Os resultados mostram que os grupos não são assim tão diferentes, ou seja, são cada vez mais homogéneos.

“Na verdade, uma das principais lições a retirar deste estudo é que esta geração adora ir às compras e que as lojas físicas continuam a ser o melhor lugar para o fazer. Esta geração é muito lúcida, quer no que a ela própria diz respeito, quer no que diz respeito ao que a rodeia, desmentindo muitos mitos e ideias e apontando numerosas vias de progresso para que o comércio ‘dito tradicional’ possa coabitar com o comércio online”, explicou o CEO do Banco BNP Paribas Personal Finances, Paul Milcent.

Os resultados indicam que para os nativos digitais fazer compras não é uma atividade obsoleta. Dos 57% dos membros dessa geração que dizem o “sim” às compras, destacam-se os italianos (73%) e os franceses (68%) como os mais entusiastas. Os húngaros contrariam esse padrão, já que não associam, de todo, o ato de fazer compras à noção de prazer (57%).

Relativamente às lojas que frequentam, 78% do millennials gostam de visitar as grandes superfícies do ramo alimentar e 74% frequentam centros comerciais que combinam lojas com atividades de lazer. O terceiro tipo de lojas por eles preferidas é o comércio de proximidade, este frequentado por 70%. Os outros tipos de comércio recebem, igualmente, opiniões favoráveis, como é o caso das grandes superfícies especializadas (69%).

Verifica-se que, quando comparado ao estudo de 2008, os europeus estão mais otimistas agora, isto porque as economias estão orientadas de forma mais favorável, ou seja, o crescimento foi reforçado em toda a parte. Em alguns países, a recuperação foi mesmo notória – por exemplo, Portugal passou de +1,5 para +2,6, e a República Checa de +2,6 para +4,3, apenas Espanha e o Reino Unido registaram uma ligeira baixa devido ao brexit.

Paul Milcent referiu que o estudo registou valores que não eram vistos há muitos anos, no que diz respeito à confiança dos europeus na sua situação e no seu país, e que, a partir de agora, as respostas dos Millennials permitem assegurar o futuro com mais otimismo, em especial para o retalho. O CEO do BNP Paribas Personal Finances concluiu dizendo que “a bola está do lado das lojas. E os Millennials estão prontos a participar no jogo ainda durante muito tempo”.

Fonte: Atrevia

Newsletter

captcha 

Assinar Edição ImpressaAssinar Newsletter Diária