Imprimir esta página
segunda-feira, 08 julho 2019 16:33

Formação: como a NOVA SBE e a Católica respondem às novas necessidades do retalho

Estão as faculdades de gestão a responder às novas necessidades do retalho? A Store Magazine ouviu duas universidades – a NOVA School of Business & Economics e a Católica-Lisbon – para concluir que têm procurado desenhar soluções específicas à medida dos quadros da distribuição.

Trazer novas abordagens e temas como a experiência, o mundo omnicanal e as ferramentas digitais como forma de acrescentar valor ao negócio retalhista. Esta é, a par de experiências além-fronteiras, parte do valor acrescentado que a NOVA School of Business & Economics (NOVA SBE) fornece nas suas formações customizadas sobre retalho. A garantia é dada pelo professor auxiliar convidado Jorge Velosa.

Incluídas, nesta instituição de ensino, na Formação para Executivos, a mais procurada pelo setor é, diz, um programa fechado que combina o digital e o retalho e que faz face às necessidades criadas nesta área nos últimos anos. Embora estejam concentradas nesse tipo de curso, a nível de licenciatura e mestrado, a NOVA SBE já tem também cadeiras neste âmbito: retalho, no mestrado em gestão, “além de uma oferta importante em marketing digital”.

Para responder às necessidades das empresas retalhistas, estabelece com elas parcerias, que consistem na elaboração conjunta do programa da formação. Incorporam, assim, aspetos que o parceiro retalhista considera importantes, e “desenvolvem trabalhos durante o curso que aplicam os conceitos discutidos no mesmo”. Exemplo disso é o facto de vários gestores em empresas de retalho participarem nos programas formativos. Uma mais-valia, nota, “por permitir a divulgação de conhecimento e a partilha do mesmo pela organização, com aplicação prática em projetos”.

Já a Católica-Lisboa, embora não tendo formações dedicadas exclusivamente ao retalho, possui um “conjunto alargado” de programas de inscrição aberta que compreendem temáticas “muito relevantes para este setor”. Entre vários cursos, Pedro Celeste, professor e coordenador de programas nas áreas de Marketing e Gestão da instituição, destaca o Programa de Gestão Comercial e de Vendas que aborda temas como a fidelização do cliente, a definição de métricas ou a preparação exaustiva da venda através do conhecimento do mercado e do cliente; o Programa Avançado de Marketing para Executivos (PAME), que “permite a aquisição e consolidação de competências críticas a um desempenho com sucesso”; o Programa de Especialização em Negociação, que utiliza uma metodologia experiencial, através de role-plays, permitindo aos participantes “dominar estratégias para negociar eficazmente com pessoas difíceis e/ou situações complexas”; ou o Programa de Gestão de Marketing Digital que visa apreender, avaliar, projetar e maximizar todos os aspetos do marketing de internet e de social media.

Segundo Pedro Celeste, em geral, “todos os programas têm bastante procura”. Nota que, “dependendo dos conteúdos de cada programa, alguns são, por exemplo, mais procurados por gestores em início de carreira, enquanto que outros são mais direcionados para profissionais já com uma larga experiência e que necessitam de atualizar os seus conhecimentos”.

“A Católica-Lisbon tem desenvolvido um trabalho de grande profundidade com múltiplos quadros das maiores empresas portuguesas no setor do retalho com o objetivo de criar valor para as respetivas organizações e seus clientes”.

“A apurada customização de conteúdos, desenvolvidos em parceria com as respetivas direções e administrações das empresas, obriga a Católica-Lisbon”, conta, “a produzir conteúdos e reflexões que vão ao encontro das questões centrais que as empresas querem ver respondidas”, independentemente das áreas funcionais a que dizem respeito. “A grande maioria dos cursos intraempresa que temos vindo a desenvolver para a área do retalho incorpora uma fase que intitulamos Desafio, na medida em que são criados grupos de trabalho que são levados a produzir planos de ação sobre questões reais da empresa, sejam de caráter estratégico ou operacional”, afirma. Tem-se revelado “um exemplo de sucesso a todos os níveis”, advoga, “porque responde à grande oportunidade de casar o state of art de várias temáticas da gestão com a realidade”. Nestes projetos, já se criaram, pois, unidades de negócio, lançaram-se novas marcas, desenvolveram-se estratégias de internacionalização e surgiram inovações de cariz tecnológico. Tal como já se implementaram sistemas de fidelização de clientes e otimizaram canais de distribuição.

A Católica-Lisbon tem parcerias com empresas retalhistas para formar os seus quadros, nomeadamente com a Jerónimo Martins e a Sonae, sendo que são desenhadas soluções à medida das necessidades específicas de formação de cada empresa. Os objetivos são, revela, maximizar a eficácia do desenvolvimento de competências dos seus participantes, de forma a potenciar o desempenho dessas empresas.

Para Pedro Celeste, a participação de gestores das empresas retalhistas nos programas formativos é “essencial”. “Percebem em primeira mão a oportunidade em discutir temas centrais do seu dia a dia, bem como a aplicabilidade prática dos conceitos, técnicas, métodos e esquemas de reflexão, permitindo-se desenvolver propostas de valor para as respetivas empresas”, entende.

“Curiosamente”, nota, “em grupos heterogéneos e multidisciplinares, há um extraordinário ganho adicional: a perceção da forma como os outros departamentos dentro da empresa veem a realidade, interpretam as oportunidades e ameaças do negócio e definem táticas para superar dificuldades. Esta mais-valia da partilha interpares é um fator crítico de sucesso neste tipo de formação”.

Com um mundo cada vez mais digital, a Católica encara o fenómeno como fazendo parte da vida de qualquer organização. “Neste momento, tem uma oferta vasta neste domínio, que cruza as temáticas do Marketing digital, Digital Transformation, Big Data ou Proteção de Dados, tendo sido pioneira na criação de um Executive Master in Management com especialização em Digital Innovation”. Não é de estranhar, pois, que em todas as formações para executivos customizadas para clientes do setor do retalho, o tempo dedicado à abordagem de todas as temáticas de cariz digital tenha vindo “a ganhar cada vez mais projeção”.

 

Fonte: Store