Imprimir esta página
terça-feira, 14 dezembro 2021 14:08

Lidl inaugura entreposto semi-robotizado em Santo Tirso

O Lidl Portugal inaugura, em Santo Tirso, o seu primeiro entreposto logístico semi-robotizado em Portugal. O armazém de distribuição, que compreendeu um investimento de 73 milhões de euros, tem capacidade para abastecer mais de 100 lojas e cria quase 200 novos postos de trabalho.

O novo entreposto vem substituir o anterior, em Vila Nova Famalicão, que existia desde 1997. Esta mudança exigiu uma reorganização das equipas existentes, levando à junção dos colaboradores que transitaram do anterior e dos novos funcionários, construindo uma equipa de cerca de 350 pessoas.

Marcando o desenvolvimento de uma nova zona industrial em Santo Tirso, Zona Industrial da Ermida, o entreposto ocupa um espaço de 48.000 metros quadrados, equivalente a cinco campos de futebol – a capacidade de armazenagem é de 55.000 paletes e conta com mais de 90 cais. O projeto é “diferenciador” por ser o primeiro entreposto semi-robotizado do Lidl em Portugal, o que “traz benefícios”, como: um maior ganho de capacidade de armazenamento por m2, menos perdas de produto, maior eficiência da operação, e uma mais eficiente organização da entrada e saída das paletes.

“Este recente entreposto do Lidl é o mais moderno de Portugal, e um dos mais modernos da Europa. Com a sua operação conseguimos ser mais eficientes e rápidos na forma de levar a nossa qualidade ao melhor preço a todos os portugueses, uma vez que aumentámos substancialmente a nossa capacidade de armazenagem e de abastecimento de lojas na região Norte”, afirma o diretor-geral do Lidl Portugal para a região Norte, Luís Vergueiro.

Por seu lado, o secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor, João Torres, considera que o retalhista tem uma longa história no País, marcada por importantes acontecimentos como este. “O investimento de mais de 70 milhões de euros neste recente entreposto de Santo Tirso, assim como a criação de emprego a par do desenvolvimento tecnológico, espelham o seu compromisso com Portugal – e com a região Norte. São bem-vindos mais exemplos destes que demonstram a importância do empenho do tecido empresarial para a nossa economia”, sublinha.  

Fonte: Cunha Vaz & Associados