quinta, 15 fevereiro 2018 17:29

2018 será o ano de vestir a carteira?

As carteiras, tal como as conhecemos, têm os dias contados. Vai ser o fim das moedas a tilintar nos bolsos, da procura frenética e errante pelos cartões bancários, dos vincos nas calças. Graças ao desenvolvimento tecnológico, está aí o despertar, a nível global, do interesse nos wearables que vão tornar as carteiras uma coisa do passado. Este é o ponto de partida da análise de Paulo Raposo, country manager da Mastercard Portugal, sobre a evolução dos meios de pagamento.

 

Os wearables – condicionados no passado a tarefas simples como contagem de passos ou da frequência cardíaca – ganham hoje uma nova vida ao permitirem fazer pagamentos. Na verdade, os analistas prevêem que até 2020, 62% dos wearables disponham de funcionalidades de pagamento. Em 2016, as vendas globais de wearables inteligentes cifraram-se em 13,45 mil milhões – um valor que se espera possa crescer ainda mais, fruto da forte adoção destas soluções de pagamento.

O país europeu onde o crescimento da utilização de wearables foi mais impressionante foi o Reino Unido, onde as vendas aumentaram 45% em 2016, equivalente a mais de 13 milhões de dispositivos vendidos.

Confiança no contactless

O crescimento no mercado wearables tem sido alimentado pela confiança na tecnologia contactless. No segundo semestre de 2015, os pagamentos contactless cresceram na Europa quase 170% face ao ano anterior e, em 2016, triplicaram.

Os pagamentos móveis na UE-7 cresceram para 43 mil milhões de euros no final de 2015 e prevê-se que tripliquem nos próximos cinco anos.

No mesmo ano, no Reino Unido, foram gastos aproximadamente 21 mil milhões de euros através de pagamentos contactless e em 2017 foi gasto aproximadamente o mesmo valor (26.19 mil milhões de euros) em apenas seis meses. Estes valores vêm demostrar o quão rápido tem sido o crescimento de wearables e a aceitação de pagamentos contactless.

As cidades também têm vindo a reconhecer os benefícios da utilização dos pagamentos contactless rápidos e seguros em áreas como o transporte, por exemplo. A tornar a adopção destas novas soluções mais fácil do que nunca, estão os wearables cuja procura é cada vez mais popular na Europa, com as vendas a aumentarem 22% no primeiro semestre de 2017, face ao mesmo período do ano anterior.

Embora a rapidez de pagamento seja importante, como com a tecnologia contactless levou alguns anos a atingir a velocidade cruzeiro, os wearables estão prestes a alcançar um ponto de inflexão para a adoção massiva graças a uma melhor segurança.

Tokenização segura

O sistema de Tokenização é a principal razão pela qual os pagamentos através de wearables estão a tornar-se mais seguros do que nunca. O sistema garante que o número do cartão com 16 dígitos não seja usado, nem armazenado no dispositivo wearable - em vez disso, um número alternativo, denominado "token", é alocado para cada novo dispositivo para transações. Além disso, o sistema utiliza uma proteção similar àquela que é usada na segurança do chip do cartão físico e aplica-se aos pagamentos digitais.

Este sistema seguro é possível porque o utilizador introduz previamente e apenas uma vez um número de cartão de crédito ou débito no telefone. Quando pretende fazer um pagamento, o pedido de pagamento é autenticado através de uma password única enviada para o telefone pelo banco. Depois do utilizador inserir esse código é efectuado o controlo cruzado antes de disponibilizar o token no dispositivo. Dado que o processo gere um novo token para cada dispositivo recém-emparelhado, qualquer dispositivo de pagamento perdido pode ser facilmente cancelado a partir do telefone, sem que outros dispositivos sejam desligados.

A Tokenização também adiciona outra camada de segurança ao manter o número real do cartão de crédito oculto, mesmo durante transações no ponto de venda. Como a maioria das pessoas se sente mais confortável ao utilizar uma carteira digital oferecida pelo seu próprio banco, o processo de autenticação também permite que as pessoas paguem digitalmente com maior confiança.

Os pagamentos são tornados seguros graças ao uso de uma password, PIN ou impressão digital já utilizada num smartphone ligado. Embora alguns, como o Apple Watch, utilizem uma identificação persistente, o que significa que o wearable está desbloqueado e pronto para pagar até ao momento em que seja detectada a sua remoção do pulso do utilizador. Mas a segurança ultrapassa as capacidades de qualquer dispositivo. Outra camada de proteção para o seu dinheiro, é a provisão de responsabilidade zero.

Uma nova gama de wearables

Esta segurança tem vindo a potenciar o surgimento de wearables novos e inovadores, desde smartwatches que têm integradas as soluções Samsung Pay, Android Pay ou Apple Pay, a outros com foco no fitness, como o Garmin Pay ou o Fitbit Pay. E até anéis com estilo. A Kerv, fabricante de anéis digitais, criou um anel de pagamento contactless para pagamentos fáceis num sistema que é muito difícil de perder. E esta flexibilidade vem tornar os wearables mais desejáveis do que qualquer cartão bancário.

Em apenas dois meses, o Fitbit Pay e o Garmin Pay foram implementados em 10 países, com múltiplos emissores. E isto é apenas o começo. É que graças à tokenização vai ser potencialmente possível transformar todo tipo de dispositivos em plataformas de pagamento seguras, como carros, TVs e frigoríficos.

Sophie Charara, editora de recursos da Wareable, refere que "Os proprietários de smartwatches e de equipamentos de fitness estão a ficar cada vez mais ligados emocionalmente aos seus wearables - abandonando-os menos em gavetas do que há alguns anos atrás- e os pagamentos contactless são uma das características diárias que realmente ajudaram para aumentar essa adesão. Ser capaz de tocar no seu pulso para entrar no youtube ou pagar uma refeição, pode ser verdadeiramente fascinante para dar nova vida a dispositivos de propósito único - como wearables para running ou jóias inteligentes – e smartwatches que já fazem quase tudo.

Será o fim de uma era para os nossos bolsos?

O futuro trará mais inovação à medida que vários tipos de equipamentos vão ficando habilitados para fazerem pagamentos.

Várias empresas estão já a trabalhar no próximo passo, como os populares Levis e Jacquard by Google, que apresentaram já um casaco para camionistas com a funcionalidade de pagamento contactless incorporada na manga.

Se em breve vai poder usar a manga do seu casaco fazer pagamentos então poderá dizer-se que é o fim de uma era para os nossos bolsos?

 

Fonte: Store

Newsletter

Assinar Edição ImpressaAssinar Newsletter Diária